CARMELA GROSS | 8 DE AGOSTO ATÉ 24 DE SETEMBRO

A exposição contará com uma instalação inédita – Uma Casa. O trabalho é formado por um conjunto de 22 tripés de bateria que sustentam lâmpadas tubulares rosas. Cada lâmpada tem uma certa inclinação, uma certa altura e o conjunto forma um desenho luminoso no ar que pode ser designado com uma palavra – casa…

As linhas de luzes demarcam os contornos das paredes, do piso e do telhado. Os apoios são frágeis, o equilíbrio é instável e o desalinho do prumo faz com que esta casa flutue no vazio como se estivesse à deriva… ou ao sabor dos ventos. Com uma escala real e compacta, a obra remete à idéia de trânsito entre o atelier da artista e a galeria.   

Um objeto múltiplo, Outra Casa, medindo 40 x 30 x 40 cm, feito em latão banhado a ouro, completará a exposição. Será o primeiro exemplar de uma série limitada de dez.

Além da instalação, a exposição apresentará três projeções também inéditas, documentários da produção e montagem de três trabalhos, realizados respectivamente em Moscou, Valencia e São Paulo:

– AURORA, 2a Bienal de Moscou, fevereiro a março de 2007;

– SUL em duas versões. A primeira registra sua instalação por ocasião da mostra Encontro de dois mares: Bienal de São Paulo – Valencia, de março a junho de 2007; a segunda documenta a mesma instalação montada no Instituto Tomie Ohtake, novembro – dezembro de 2006;

Carmela Gross formou-se em Artes na Fundação Álvares Penteado em 1969. Fez o Mestrado em Artes (1981), e o Doutorado em Artes (1987), ambos na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, onde leciona desde 1972.

Recebeu Bolsa da Fundação Vitae (1991) e bolsa de residência “Artist in Residence” para produzir trabalhos no European Ceramics Work Center, em Hertogenbosh, Holanda onde realizou sua exposição “Facas” (1994). Esta exposição foi posteriormente montada no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Ela também produziu figurinos e coreografias para a ópera e o teatro. Desde 1967, participou de diversas bienais de São Paulo e de importantes exposições coletivas como a Latinoamérica Presente, no Museo de Bellas Artes de Santiago, Chile (1990); Latin-American Drawings Today, no San Diego Museum of Art, EUA (1990); e Re-Aligning Vision, Alternative Currents in South América, na Archer M. Huntington Art Gallery, da Universidade do Texas, e no Museo del Barrio, NY, EUA (1997).

Em 2006 realizou a exposição individual Sul, no Centro Cultural Tomie Othake e em 2007 a artista foi convidada a participar da Bienal de Arte Contemporânea de Moscou. A artista realizou sua primeira exposição individual em 1977 no então Gabinete de Artes Gráficas Raquel Arnaud, atual Gabinete de Arte Raquel Arnaud, em São Paulo, que a representa desde então. 

E quem visitar a Pinacoteca do Estado de São Paulo, ali na Luz, poderá ver uma obra de Carmela Gross, chamada Dinossauro.

E no dia 1º de setembro, sábado, às 12h, o Gabinete de Arte Raquel Arnaud recebe Paulo Sérgio Duarte para a Palestra ‘A Casa de Carmela’. 

Paulo Sergio Duarte é crítico, professor de história da arte e pesquisador do Centro de Estudos Sociais Aplicados/Cesap da Universidade Candido Mendes, no Rio de Janeiro, e diretor do Centro Cultural da mesma universidade. É membro do Conselho de Curadores da Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, e em 2005 foi curador da 5ª Bienal do Mercosul; autor de Anos 60 – Transformações da Arte no Brasil (Campos Gerais, 1998) e Waltercio Caldas (Cosac Naify, 2003), entre outros livros.

Nessa palestra, Paulo Sérgio Duarte falará sobre as obras recentes de Carmela Gross e sobre a instalação UMA CASA, exposta no Gabinete de Arte Raquel Arnaud até 24 de setembro.

A instalação UMA CASA é formada por um conjunto de 22 tripés de bateria que sustentam lâmpadas tubulares rosas. As linhas de luzes demarcam os contornos das paredes, do piso e do telhado. Os apoios são frágeis, o equilíbrio é instável e o desalinho do prumo faz com que esta casa flutue no vazio como se estivesse à deriva… ou ao sabor dos ventos. Com uma escala real e compacta, a obra remete à idéia de trânsito entre o atelier da artista e a galeria. Um objeto múltiplo, Outra Casa, medindo 40x30x40 cm, feito em latão banhado a ouro, completa a exposição.  

Além da instalação, a exposição apresenta três projeções, inéditas, de documentários da produção e montagem de dois trabalhos, realizados respectivamente em Moscou, Valencia e São Paulo:

– AURORA, 2a Bienal de Moscou, fevereiro a março de 2007 e

– SUL em duas versões. A primeira registra sua instalação por ocasião da mostra Encontro de dois mares: Bienal de São Paulo – Valencia, de março a junho de 2007; a segunda documenta a mesma instalação montada no Instituto Tomie Ohtake, novembro – dezembro de 2006.

Segunda a sexta-feira, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 15h.
Gabinete de Arte Raquel Arnaud
Rua Arthur Azevedo, 401 – CEP 05404-010 – São Paulo – SP.
(11) 3083-6322 |  Acesso para deficientes.

[este post teve a colaboração de Márcia Marques do Canal Aberto.]
Anúncios

4 Comments

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s