UMA HISTÓRIA DO CINEMA NA CINEMATECA BRASILEIRA | 04 DE SETEMBRO A 16 DE OUTUBRO

CURSO LIVRE em parceria com o Departamento de Rádio, Televisão e Cinema da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Sempre às terças, às 19h00
SALA CINEMATECA / PETROBRAS
Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana

UMA HISTÓRIA DO DOCUMENTÁRIO

O DOCUMENTÁRIO SOVIÉTICO: EMPENHO POLÍTICO E INOVAÇÃO

EDUARDO VICTORIO MORETTIN, responsável pelas aulas, é professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da USP, historiador e pesquisador do cinema brasileiro, um dos organizadores do livro História e Cinema (Alameda, 2007).

As INSCRIÇÕES devem ser feitas pessoalmente na bilheteria da SALA CINEMATECA / PETROBRAS, a partir do dia 28 de agosto, das 15h00 às 22h00, terça a domingo.

Quantidade de vagas: 150.

AULAS GRATUITAS e abertas ao público em geral

Confira a programação do curso, clique

04/09 – terça

19h00

Câmera-olho (Kinoglaz), de Dziga Vertov

União Soviética, 1924, 35mm, pb, 78’

Intertíltulos em português

Exibição em DVD

Explorando ao máximo os recursos da montagem, Vertov mostra a população soviética no seu dia a dia num caleidoscópio visual urbano deslumbrante. 

11/09 – terça

19h00

O homem com a câmera (Chelovek’s kino-apparatom), de Dziga Vertov

União Soviética, 1929, 35mm, pb, 68’

Intertíltulos em português

Exibição em DVD

Grande marco do cinema soviético. Um exemplo da ruptura total do cinema com a literatura e a dramaturgia. Acompanha a jornada de um cinegrafista que circula por Moscou à procura de imagens, da aurora ao crepúsculo, quando a câmera escapa a seu controle.

18/09 – terça

19h00

Réquiem a Lênin (Tri pesne o Lenine), de Dziga Vertov

União Soviética, 1934, 35mm, pb, 57’

Intertíltulos em português

Exibição em DVD

Nas palavras de Vertov, o filme seria uma tentativa de cristalizar os pensamentos do povo sobre Lênin. Fez grande sucesso na União Soviética e em vários países da Europa.

25/09 – terça

19h00

A queda da dinastia Romanov (Padenie dinastii Romanovykh), de Esther Shub

União Soviética, 1927, 35mm, pb, 88’

Intertíltulos em inglês

Exibição em VHS

Usando imagens de arquivo, Esther Shub apresenta uma cronologia da Rússia de 1913 a 1917. Mostra os líderes do Duma, a nobreza e os camponeses, soldados e marinheiros, a burguesia e o Czar.

02/10 – terça

19h00

Turksib, de Victor Turin

União Soviética, 1929, 35mm, pb, 57’

Intertíltulos em inglês

Exibição em VHS

Documentário sobre a construção de uma linha de trem na Ásia central. Apresenta o triunfo heróico do progresso soviético em contrapartida à adversidade natural.

09/10 – terça

19h00

Salt for Svanetia (Jim Shvante – marili svanets), de Mikhail Kalatozov

União Soviética, 1930, 35mm, pb, 54’

Intertíltulos em inglês

Exibição em VHS

Documentário filmado na atual Ucrânia, capta as condições da vida na Rússia pré-revolucionária. 

16/10 – terça

19h00

Que viva México! (Da zdravstvuyet Mekisa!), de Sergei Eisenstein

União Soviética, 1931/1932/1979, 35mm, pb, 90’

Legendas em português

Exibição em DVD

Após amargar em Hollywood, o diretor Sergei Eisenstein e seus colaboradores Grigory Alexandrov e Eduard Tissé realizaram um documentário altamente estilizado sobre o México. Infelizmente, por problemas financeiros, Eisenstein não conseguiu editar o filme. Em 1979, seguindo as anotações e desenhos de Eisenstein, Alexandrov finalizou uma versão bastante próxima do projeto inicial.

BIBLIOGRAFIA

ALBERA, François. Eisenstein e o construtivismo russo. São Paulo, Cosac & Naify, 2002.

AUMONT, Jacques. As teorias dos cineastas. Campinas, Papirus, 2004.

AUMONT, Jacques e MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas, SP, Papirus Editora, 2003.

BORDWELL, David. El cine de Eisenstein: teoría y práctica. Trad. José García Vázquez, 1999.

CINEMATECA PORTUGUESA. CCCS: ciclo de cinema clássico soviético. Lisboa, Fundaçäo Calouste Gulbenkian, 1987.

DA-RIN, Silvio. Espelho Partido. Tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro, Azougue Editorial, 2004.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1990.

EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1990

GAUTHIER, Guy. Le documentaire. Un autre cinéma. 2ª ed. Paris, Armand Colin, 2005.

GERVAISEAU, Henri. O abrigo do tempo (Abordagens cinematográficas da passagem do tempo e do movimento da vida dos homens). Tese de Doutorado, UFRJ/ECO, 2000.

GRANJA, Vasco. Dziga Vertov. Lisboa, Livros Horizonte, 1981.

JACOBS, Lewis (org.) The documentary tradition. 2ª ed. New York, W. W. Norton & Company, 1979.

LAWTON, Anna (ed). The Red Screen. Politics, society, art in Soviet Cinema. New York, Routledge, 1992

LEYDA, Jay. Kino: historia del cine ruso y sovietico. Buenos Aires, Ed Universitaria de Buenos Aires, 1965.

MACHADO, Arlindo. Eisenstein: geometria do êxtase. São Paulo, Brasiliense, 1982.

MICHELSON, Annette. Introduction. In: VERTOV, Dziga. Kino-eye: The Writings of Dziga Vertov. Berkeley, CA, University of California Press, c1984, p. XV – LXI.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas, SP, Papirus, 2005.

NOGUEZ, Dominique (org). Cinéma: théorie, lectures. Paris, Klincksieck, 1973.

PETRIÂC, Vlada. Constructivism in film. ‘The man with the movie camera’: a cinematic analysis. New York, Cambridge University Press, 1987.

RAMOS, Fernão (org.). Teoria contemporânea do Cinema. Volume II Documentário e narratividade ficcional. São Paulo, Ed. Senac, 2004.

SADOUL, Georges. El cine de Dziga Vertov. México, Era, 1973

SADOUL, Georges. História do cinema mundial. São Paulo, Martins, 1963, 2 vols.

STAM, Robert. O espetáculo interrompido: literatura e cinema de desmistificação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1981.

TEIXEIRA, Francisco Elinaldo (org). Documentário no Brasil. Tradição e Transformação. São Paulo, Summus Editorial, 2004.

VERTOV, Dziga. Cine-ojo. Madrid, Editorial Fundamentos, 1973.

VERTOV, Dziga. Articles, journaux, projets. Paris, Cahiers du Cinéma, 1972.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. 2ª ed. revisada, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984.

XAVIER, Ismail. Eisenstein: a construção do pensamento por imagens. In: Novaes, A. (org). Artepensamento. São Paulo, Companhia das Letras, 1994, p.359 – 74.

XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro, Graal/Embrafilme, 1983.

XAVIER, Ismail. Sétima Arte: um culto moderno. São Paulo, Perspectiva/Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.

YOUNGBLOOD, Denise J. Soviet Cinema in the Silent Era 1918 – 1935. Austin, University of Texas Press, 1991.

COMO CHEGAR À CINEMATECA 

A Cinemateca Brasileira fica próxima ao Parque do Ibirapuera. Pode-se chegar por meio de vias como avenida Sena Madureira, rua Joaquim Távora, rua Tutóia e rua dos Otonis. As seguintes linhas de ônibus passam pelo local:

 475-R Jd. São Savério/Term. Pq. D. Pedro II
476-G Jd. Elba/Ibirapuera
5106 Divisa Diadema/Term. Princesa Isabel
6726 Jardim Gaivotas/Metrô Ana Rosa
675-X Grajaú/Metrô Vila Mariana
677-A Vila Gilda/Metrô Ana Rosa
695-V Term. Capelinha/Metrô Ana Rosa

A linha 476-G faz ponto final ao lado da Cinemateca.

Anúncios

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s