FOSCA ESTRÉIA NO THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

tumblr_ohro6wzkeg1qcbsbho1_1280

Estréia nesta quarta-feira, 7/12, a última ópera da temporada lírica 2016 do Theatro Municipal de São Paulo: Fosca.

Composta por Carlos Gomes, as récitas acontecem ainda nos dias 8, 10, 11, 13, 15 e 17 de dezembro – de segunda-feira à sábado, a partir das 20h, no domingo, às 17h. Os ingressos variam de R$ 50 a R$ 160, com meia-entrada para todos os setores.

tumblr_ohro6wzkeg1qcbsbho2_1280

A montagem inédita que ganha os palcos do Municipal de São Paulo é de Stefano Poda, que criou o espetáculo exclusivamente para a casa de óperas paulistana. O artista italiano assina a direção cênica, a cenografia, os figurinos, o desenho de luz e a coreografia. Poda também estará esta semana nos cinemas brasileiros – a montagem de Fausto (criação dele para a obra-prima de Goethe) integra o festival Opera na Tela, que traz aos cinemas brasileiros o melhor da temporada lírica europeia recente – mais informações deste Festival no site.

tumblr_ohro6wzkeg1qcbsbho3_1280

Sexta ópera composta por Carlos Gomes, Fosca foi concebida com libreto em italiano (a segunda do autor campineiro). O compositor foi o mais importante autor brasileiro de ópera e o primeiro a ter destaque no meio lírico europeu. Em 2016, celebram-se duas efemérides relacionadas a ele: 180 anos de seu nascimento e 120 anos de sua morte.

Além da direção cênica de Poda, as récitas que entram em cartaz no Municipal tem direção musical de Eduardo Strausser, que rege também a Orquestra Sinfônica Municipal (OSM). O Coro Lírico Municipal, sob regência de Bruno Greco Faccio, e o Balé da Cidade de São Paulo participam da encenação. No papel de Fosca se revezam Nadja Michael e Chiara Taigi. Os papeis principais masculinos ficaram a cargo de Marco Vratogna e Leonardo Neiva (Cambro); Luiz-Ottavio Faria e Łukasz Goliński (Gajolo); e Thiago Arancam e Sung Kyu Park (Paolo).

Stefano Poda
direção, coreografia, iluminação, cenografia e figurinoPara dar à interpretação operística a unidade estética e conceitual de um teatro fundado na totalidade das artes, e visando uma percepção integral, plástica e rica de imagens, Stefano Poda se ocupa das diversas dimensões de suas montagens: direção, cenografia, figurino, iluminação e coreografia.

Em 2014, Stefano Poda assinou a abertura do 77° Festival do Maggio Musicale Fiorentino, com uma nova produção de Tristão e Isolda, de Richard Wagner, sob a regência de Zubin Mehta. Em 2015, concebeu Fausto para o Teatro Regio de Turim (numa coprodução com a Ópera de Israel de Tel Aviv e a Ópera de Lausanne), Otello na Ópera de Budapeste, Nabucco no Teatro Verdi em Trieste, e Andrea Chénier na Ópera Nacional da Coreia. Em 2016, dirigiu Ariodante para a Ópera de Lausanne e O Elixir de Amor para a Ópera Nacional do Reno, em Estrasburgo. Entre suas muitas produções, destacam-se Thaïs no Teatro Regio de Turim, em 2008, gravada pela RAI/Arthaus; Falstaff na Opéra Royal de Wallonie-Liège, em 2009, transmitido ao vivo em 200 cinemas nos EUA e na Europa (RAI/Dynamic); Il Concilio dei Pianeti, de Albinoni, com o Solisti Veneti (Unitel); A Força do Destino, abertura da temporada do Teatro Regio de Parma, em 2011, (Unitel) e do Festival Verdi, em 2014; Il Trittico, de Puccini, no Teatro Colón de Buenos Aires, em 2011; Leggenda no Teatro Regio de Turim e festival MITO, em 2011; Maria Stuarda na Ópera de Graz, em 2012, e na ABAO de Bilbao, em 2013; Il Trovatore para abertura do Festival Herodes Atticus em Atenas, em 2012; Atilla no St.Galler Festspiele, em 2013; Don Carlo na abertura da temporada 2013/14 do Theater Erfurt.

Eduardo Strausser
Direção musical e regência

Desde agosto de 2014, Eduardo Strausser é regente residente do Theatro Municipal de São Paulo. Nesta temporada, Eduardo regeu La Bohème, de Puccini, e Elektra, de Richard Strauss. Em temporadas passadas, Eduardo trabalhou com orquestras como a Kurpfälzischen Kammerorchester, de Mannheim, a Orquestra Sinfônica de Berna, a Südwestdeutsche Philharmonie Konstanz, a Berliner Camerata e o Luzern Festival Strings. Com a Meininger Hofkapelle, regeu A Flauta Mágica, de Mozart.

Este ano, Eduardo fez sua estreia com a Orchestra Filarmonica do Teatro La Fenice, de Veneza, e no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e retornará à Berliner Camerata e ao Teatro Verdi, de Padova.

Entre 2012 e 2014, foi diretor artístico e regente da Orchesterverein Wiedikon e da Kammerorchester Kloten, em Zurique.

Nascido em São Paulo, em 1985, Eduardo estudou na Zürcher Hochschule der Künste, onde recebeu com distinção os títulos de mestre e especialista na classe do renomado Professor Johannes Schlaefli. Em 2007, passou o verão em Kürten, Alemanha, onde estudou análise e interpretação com Karlheinz Stockhausen. Participou de masterclasses com Bernard Haitink e David Zinman, na Suíça, e com Kurt Masur, em Nova York. Em 2008, foi selecionado para participar do prestigiado Fórum Internacional de Regentes do Ferienkurse für Neue Musik, em Darmstadt, onde teve a oportunidade de trabalhar com compositores como György Kurtág e Brian Ferneyhough.


O QUÊ? QUANDO?

Fosca

Antonio Carlos Gomes

  • 7/12 – quarta – 20h
  • 8/12 – quinta – 20h
  • 10/12 – sábado – 20h
  • 11/7 – domingo – 17h
  • 13/12 – terça – 20h
  • 15/12 – quinta – 20h
  • 17/12 – sábado – 20h

Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Coro Lírico Municipal de São Paulo

Balé da Cidade de São Paulo

Stefano Poda – Direção cênica, Cenografia, Figurinos, Desenho de luz e Coreografia

Eduardo Strausser – Direção musical e regência

Bruno Greco Facio – Regência do Coro Lírico

Fosca – Nadja Michael (7, 10, 13 e 17/12) | Chiara Taigi (8, 11 e 15/12)

Cambro – Marco Vratogna (7, 10, 13 e 17/12) | Leonardo Neiva (8, 11 e 15/12)

Gajolo – Luiz-Ottavio Faria (7, 10, 13 e 17/12) | Łukasz Goliński (8, 11 e 15/12)

Paolo – Thiago Arancam (7, 10, 13 e 17/12) | Sung Kyu Park (8, 11 e 15/12)

Delia – Lina Mendes (7, 10, 13 e 17/12) | Masami Ganev (8, 11 e 15/12)

Michele Giotta – Carlos Eduardo Marcos

Il Doge di Venezia – Murilo Neves

*Programação sujeita a alterações.


QUANTO?

Ingressos: R$ 50 a R$ 160 (meia-entrada para aposentados, maiores de 60 anos, professores da rede pública e estudantes). Capacidade: 1.500 lugares

Bilheteria: 3053-2090 — Compre aqui os ingressos!


ONDE?

Theatro Municipal de São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, s/nº – Bilheteria: 3053-2090


Colaboração: Vanessa Beltrão | Publicação: Darlene Carvalho

Anúncios

CORO LÍRICO FAZ APRESENTAÇÕES GRATUITAS NA PRAÇA DAS ARTES

CORO LÍRICO MUNICIPAL APRESENTA FESTIVAL GRATUITO COM OBRAS DE DONIZETTI

Com regência do maestro Bruno Greco Facio, as apresentações acontecem nos dias 09 e 10 de junho, às 18h, na marquise da Praça das Artes

1511_Bruno_Faccio_Foto38_Heloisa_Ballarini.jpg

Nos dias 09 e 10 de maio, às 18h, o Coro Lírico Municipal apresenta o Festival Donizetti na Praça das Artes. Sob a regência do maestro Bruno Greco Facio, o grupo apresenta as mais célebres árias e corais de fases distintas da vida do compositor italiano Gaetano Donizetti (1797 – 1848). O Festival traça um panorama da obra do compositor apresentando canções, árias e conjuntos de óperas do compositor que é considerado um dos maiores nomes do Romantismo e que transitou com igual desenvoltura pelo drama e pela comédia.

Autor de mais de setenta óperas, Gaetano Donizetti é, ao lado de Rossini e Bellini, um dos expoentes do bel canto. São célebres e inconfundíveis suas páginas repletas de virtuosismo e portadoras de melodias memoráveis.

“Apresentaremos trechos dos três títulos que com mais frequência são representados. Da carga dramática, ricamente explorada, em “Lucia” ao bufo “Don Paquale”, passando pelo melodramma giocoso do “Elisir”, o programa evidencia a profunda evolução que Donizetti promoveu no ‘bel canto’ abrindo caminhos para as mudanças estéticas que se estabeleceriam na segunda metade do século XIX”, destaca o maestro Facio.

coro-lirico.jpg

CORO LÍRICO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

Formado por cantores que se apresentam regularmente como solistas nos principais teatros do país, o Coro Lírico Municipal de São Paulo atua nas montagens de óperas das temporadas do Theatro Municipal, em concertos com a Orquestra Sinfônica Municipal, com o Balé da Cidade e em apresentações próprias. Desde 2013 sob o comando de Bruno Greco Facio, o grupo passou por um aprimoramento técnico e vocal e hoje conta com mais de 80 integrantes, prontos a interpretar diferentes papeis, em óperas cantadas em idiomas como o italiano, alemão, francês, russo e espanhol, como acontece na última temporada. O Coro Lírico foi criado em 1939 e teve, como primeiro diretor, o maestro Fidélio Finzi, que preparou o grupo para a estreia em Turandot, em 13 de junho de 1939. Em 1947, Sisto Mechetti assumiu o posto de maestro titular e, somente em 1951, o coro foi oficializado, sendo dirigido posteriormente por Tullio Serafin, Olivero De Fabritis, Eleazar de Carvalho, Armando Belardi, Francisco Mignone, Heitor Villa-Lobos, Roberto Schnorrenberg, Marcello Mechetti, Fábio Mechetti e Mário Zaccaro. O Coro Lírico Municipal recebeu os prêmios de Melhor Conjunto Coral de 1996, pela APCA, e o Carlos Gomes 1997 na categoria Ópera.

As apresentações acontecem na marquise da Praça das Artes e são todas gratuitas.


O QUÊ?

Festival Donizetti – Arias e Coros

Coro Lírico Municipal de São Paulo | Bruno Greco Facio – Regência

  • Programação sujeita a alterações.

Duração: aproximadamente 60 minutos. Classificação etária: livre.

QUANDO?

9/6,  quinta, 18h.

10/6, sexta, 18h.

QUANTO?

Entrada Franca.

ONDE?

Praça das Artes

Av. São João, 281- São Paulo [Próximo às estações Anhangabaú e São Bento do Metrô]


 

Colaboração de Amanda Sena | Publicação de Darlene Carvalho

BAR COM MÚSICA NO THEATRO MUNICIPAL

SUBTERRÂNEOS DO THEATRO MUNICIPAL TERÁ BAR COM MÚSICA

O Instituto Brasileiro de Gestão Cultural está recebendo propostas até 24/6/2016 para uso comercial do Salão dos Arcos, espaço subterrâneo do Theatro, abaixo da platéia e hall, para um bar com música.

O espaço, de 340 m² e repleto de arcos de pedra e tijolos que servem como sustentação para o teatro centenário, terá atividade noturna e poderá comercializar comidas, bebidas e realizar intervenções musicais, que devem ter o volume reduzido durante as apresentações das óperas, concertos e balés no palco do teatro.

A iniciativa pretende dar acesso a um local pouco conhecido, além de gerar receita para o Theatro e atrair novos públicos.

Mais informações no site: www.theatromunicipal.org.br


Colaboração de Amanda Sena | Publicação de Darlene Carvalho

2 FINAIS DE SEMANA COM NAVALHA NA CARNE

Navalha na Carne de Plínio Marcos

Direção Marcelo Drummond. Com Sylvia Prado, Marcelo Drummond y Tony Reis.

Navalha na carne é uma das peças mais conhecidas de Plínio Marcos e é considerada por muitos sua obra-prima. Nessa desmontagem de Marcelo Drummond, o jogo cênico contundente entre os três atores revela almas sangradas pela solidão e pelas dores de cada personagem; mas revela também o silêncio e a precisão dramatúrgica da poesia de Plínio, para muito além do estigma de autor de textos desbocados e cheios de fúria. Drummond inclui humor e contenção num jogo mutante, onde o vídeo, a luz, o cenário e o som estão tão presentes quanto a violência cotidiana das relações humanas vivida em cena. (release: teatro oficina)

navalha-na-carne

Foto: Lenise Pinheiro

Inscreva-se no canal do Teatro Oficina no Youtube clicando aqui. ;)

Vai ter transmissão ao vivo no dia 07 de Maio e 08 de maio!

navalha-na-carne- foto-Igor-Marotti

Foto: Igor Marotti


O QUÊ?

[teatro] Navalha na Carne

QUANDO?

Sábado, 7/05/2016, às 21h.
Domingo, 8/05/2016, às 20h.
Sábado,14/05/2016, às 21h.
Domingo, 15/05/2016, às 20h.

QUANTO?

R$ 40 (inteira)
R$ 20 (meia)
R$10 (moradores do Bixiga)
Ingressos online aqui.

ONDE?

Teat(r)o Oficina

R. Jaceguai, 520 – Bela Vista, São Paulo – SP.


Colaboração de Teat(r)o Oficina | Publicado por Darlene Carvalho

ÚLTIMOS DIAS DE ‘FLORES AMARELAS’

FLORES AMARELAS — Cia do Flores

Flores Amarelas é um espetáculo, que encontrou na poesia, na música, na dança e na narrativa a forma mais sublime para falar sobre identidade de gênero.

SINOPSE

Uma festa em homenagem aos santos da Bahia celebra a boa colheita do cacau. No centro da encenação a festa dá lugar às fazendas, à mata-deus e as histórias e segredos, que permeiam a vida de Orozina, Davi, Francisco, Jeremias e Antonio. Na medida em que a semente floresce, revelam-se para o público as músicas e sua poesia, as graças e desgraças dos causos da mata-deus, as dores do preconceito, e a revelação de uma história prometida, a qual deve ser a mais bonita de todas.

Dramaturgia e Direção de Claudia Jordão.
Elenco: Alef Barros, Alessandra Moreira, Fran Rocha, Lucas Vedovoto, Josy Santana e Osni Rossi.

SOBRE O ESPETÁCULO

Flores Amarelas é o primeiro trabalho da Cia do Flores, de São Bernardo do Campo e o processo de montagem, aconteceu dentro do Núcleo de Direção da Escola Livre de Teatro, orientado por Luiz Fernando Marques, o LUBI, do Grupo XIX de Teatro.

O espetáculo foi contemplado pelo PROAC – Manifestações Culturais LGBT/2015, pelo qual fará uma circulação pelas cidades do ABCDMR e também pela cidade de São Paulo. Na capital paulista Flores Amarelas fez uma estreia gratuita, no dia 28/04, com bate papo posterior, contando com a presença de Luiz Fernando Marques e prosseguiu para mais 7 apresentações que terminam no próximo dia 08/05/2016, de quinta a domingo, cumprindo com a contrapartida pela contemplação do edital Cena Aberta/SP, para ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet. O espetáculo foi contemplado também pelo Prêmio de Teatro Myriam Muniz/2015.

Para acompanhar a agenda de apresentações da Cia do Flores, curta a página no Facebook → www.facebook.com/ciadoflores


O QUÊ?

[Teatro] Flores Amarelas, com a Cia do Flores.

QUANDO?

Até 08/05/2016. Quinta a domingo, às 20h.

QUANTO?

Ingressos – R$ 30 (inteira) R$ 15 (meia)

ONDE?

Teatro de Arena Eugênio Kusnet [Capacidade: 98 pessoas]

Rua Teodoro Baima, 94 – Vila Buarque – São Paulo

Informações: 11 3259 6409 ou 11 99407 7226


Colaboração de Claudia Jordão | Publicado por Darlene Carvalho

CONCERTO CONTRA A HOMOFOBIA

No mês do combate a homofobia o grupo realiza concerto gratuito no CEU Jaguaré com repertório erudito e popular

Em seu segundo ano de atividades o Coro Osvaldo Lacerda realiza diversos concertos temáticos na temporada 2016, com concertos dedicados à música brasileira, à musica sacra e a grandes compositores como Osvaldo Lacerda, Antonin Dvorak e Gabriel Fauré.

coro-osvaldo-lacerda

Em maio o concerto reúne cerca de 40 músicos entre cantores e instrumentistas numa apresentação em combate à homofobia no CEU Jaguaré, com um repertório erudito e popular, brasileiro e internacional. No programa, músicas de Osvaldo Lacerda, Ronaldo Miranda, Heitor Villa Lobos, Marcos Leite, Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Marisa Monte, Felipe Balieiro, John Lennon e Cyndi Lauper.

coro-osvaldo-lacerda-02

Criado em 2014 com o nome Madrigal Tutti Amici, o coro surgiu da proposta de amigos estudantes de música se reunirem e levar para os palcos a vivência extraída da sala de aula. Realizou suaFoto do Concerto de Estréia em setembro 2015 primeira apresentação no encontro de coros promovido pelo Coral Cultura Inglesa em setembro do mesmo ano onde recebeu o convite para participar ao lado do Coral Cultura Inglesa do concerto de encerramento da temporada da Orquestra Sinfônica de Heliópolis executando a sinfonia n º 2 de Gustav Mahler sob regência de Isaac Karabtchevsky, em dezembro na Sala São Paulo.

coro-osvaldo-lacerda-03

coro-osvaldo-lacerda-04

coro-osvaldo-lacerda-05

Em 2015 o grupo cresceu e passou a se chamar Coro Osvaldo Lacerda, em homenagem ao compositor paulistano. Participou da Virada Cultural Coral, cantando em dois pontos do centro da cidade: Sala dos Arcos do Theatro Municipal e Cripta da Sé, em encontros como XVII Encontro de Coros do Tribunal de Justiça e Festival de Música Sacra da Igreja São Luis, além de realizar em setembro o Concerto Oficial de Estreia, e em dezembro o Concerto de Natal na Paróquia São Luís.

Em 2016 o grupo participa do projeto São Paulo Cidade Coral promovido pelo Coral Paulistano Mário de Andrade e Prefeitura de São Paulo realizando de março a dezembro 1 concerto por mês.

coro-osvaldo-lacerda-06

Coro Osvaldo Lacerda

Regência: Bruno Costa e Guilherme Rocha
Piano: Bruno Tadeu
Cantores Convidados: Erik Erikström, Daniel Soufer e Gabriel Vazquez.

Site do Coro Osvaldo Lacerda


O QUÊ?

Concerto em Combate a Homofobia — Coro Osvaldo Lacerda

QUANDO?

Sexta-feira, 20/05/2016, às 20h.

ONDE?

CEU Jaguaré

Av. Kenkiti Simonoto, 80, Jaguaré, São Paulo, SP.

QUANTO?

Entrada Franca


 

Colaboração de Bruno Costa | Publicação de Darlene Carvalho

ENCONTROS SOBRE DIREITOS HUMANOS E JUVENTUDE

Sesc e Núcleo de Estudos da Violência da USP realizam encontros sobre direitos humanos e juventude

Sérgio Adorno, Marcelo Batista Nery e Eduardo Marangoni Canesin, Bruno Paes Manso estão entre os palestrantes.

O Centro de Pesquisa e Formação do Sesc, em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da USP, realiza, de 9 a 18 de maio, a série de encontros Direitos Humanos e Juventude, que visa discutir as várias relações entre juventude, violência, lei, intolerância e estereótipos midiáticos.

A série aborda como a intolerância e a delinquência afetam a socialização e percepção dos jovens; o diálogo sobre o processo de aprendizagem das normas e leis entre jovens; o crescimento e a queda dos homicídios dolosos e as razões para a variabilidade das taxas desses crimes na capital paulista; os jovens como notícia e como produtores de notícia.

Entre os palestrantes estão os sociólogos Sérgio Adorno, Marcelo Batista Nery e Eduardo Marangoni Canesin, os pesquisadores da NEV-USP, Aline Mizutani eRenan Theodoro, o cientista político e jornalista Bruno Paes Manso, e o professor Vitor Souza Lima Blotta.

Confira a programação:

Segunda-feira, 09/05/2016

Violência, anestesia moral e socialização de jovens na contemporaneidade.

Como entender os discursos de ódio e tentativas de redução da maioridade penal? Quais os efeitos das diferentes expressões de intolerância (como bullyng, preconceitos, humilhações) sobre a formação e socialização desses grupos sociais?

Com Sérgio Adorno, Professor Titular e Diretor da FFLCH/USP e Coordenador Científico do NEV-USP. Doutor em Sociologia pela USP, com pós-doutorado pelo Centre de Recherches Sociologiques sur le Droit et les Institutions Pénales, na França.

 

Quarta-feira, 11/05/2016

Juventude, autoridade e socialização legal

Debate com pesquisadores sobre como os jovens aprendem a se relacionar com as normas, as regras e as autoridades sociais. Neste processo de aprendizado, a qualidade das interações com as autoridades é fundamental.

Com Aline Mizutani, pesquisadora do NEV-USP, mestre em Psicologia pela USP.

Com Renan Theodoro, pesquisador do NEV-USP, mestre em Sociologia pela USP.

Segunda-feira, 16/05/2016

Homicídio e cultura da violência: as condicionantes dos assassinatos dos jovens paulistanos

O questionamento das explicações para o crescimento dos homicídios, sua concentração em locais específicos da cidade de São Paulo e a queda dos homicídios verificada posteriormente.

Com Bruno Paes Manso, Doutor em Ciência Política pela USP. Atualmente realiza pesquisa de Pós-Doutorado no NEV/USP. Jornalista.

Com Marcelo Batista Nery, Doutorando em Sociologia na USP (com doutorado sanduíche em UC Berkeley). Atualmente presta consultorias, ministra cursos de curta duração e realiza pesquisas no NEV/USP.

Quarta-feira, 18/05/2016

Jovens na mídia, mídias da juventude e cidadania

Os jovens estão na mídia, muitas vezes sendo noticiados com vieses tendenciosos. Além disso, também são produtores de conteúdo, possuindo seus próprios meios e mídias. Em debate, os dois fenômenos e suas relações com a cidadania.

Com Vitor Souza Lima Blotta, professor de Ética e legislação do Jornalismo na ECA-USP e pesquisador associado ao NEV. Vice coordenador do grupo Jornalismo, Direito e Liberdade (ECA-USP/IEA-USP).

Com Eduardo Marangoni Canesin, sociólogo formado pela USP, pesquisador do NEV-USP e pesquisador-graduado do grupo Jornalismo, Direito e Liberdade (ECA-USP/IEA-USP).

Sobre o CPF-Sesc

Inaugurado em agosto de 2012, o Centro de Pesquisa e  Formação do Sesc é uma unidade do Sesc São Paulo voltada para a produção de conhecimento, formação e difusão e tem o objetivo de estimular ações  e desenvolver estudos nos campos cultural e socioeducativo.

Além do Curso Sesc de Gestão Cultural – que visa a qualificação para a gestão cultural de profissionais atuantes no campo das Artes, tanto de instituições públicas como privadas – a unidade proporciona o acesso à cultura de forma ampla, tematicamente, por meio de cursos, palestras, oficinas, bate-papos, debates e encontros nas diversas áreas que compreendem a ação da entidade, como artes plásticas e visuais, ciências sociais, comportamento contemporâneo e cotidiano, filosofia, história, literatura e artes cênicas.


O QUÊ?

Direitos Humanos e Juventude

Recomendação etária: 16 anos. Número de vagas: 30.

Atividade com tradução em libras. Solicitação deve ser feita no ato da inscrição, com no mínimo dois dias de antecedência da atividade.

QUANDO?

Dias 9, 11, 16 e 18 de maio de 2016. Segundas e quartas, das 19h30 às 21h30.

QUANTO?

R$ 50,00 (inteira); R$ 25,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública);  R$ 15,00(trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

ONDE?

Centro de Pesquisa e Formação – CPF Sesc

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar.


Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 22h. Sábados, das 9h30 18h30.
Tel: 3254-5600

Informações e inscrições pelo site → sescsp.org.br/cpf — ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo.


Colaboração de Rita Solimeo Marin | Publicado por Darlene Carvalho