BATE-PAPO SOBRE FOTOGRAFIA NA CAIXA

unnamed

O QUÊ?

Bate-papo: “Limiares entre a fotografia documental e artística”

QUANDO?

Sábado, 28/02/2015, das 16h às 18h.

QUANTO?

Grátis. Reserve sua vaga por telefone (11)3321-4400.

ONDE?

Praça da Sé, 111, São Paulo, SP.

Publicado por Darlene Carvalho

PALESTRAS SOBRE LEGENDAGEM E AUDIODESCRIÇÃO NA CINEMATECA

cinemateca

Clique aqui e acesse o site da Cinemateca para saber mais detalhes.

Publicado por Darlene Carvalho

HISTÓRIAS DA MEIA-NOITE

A J.Gar.Cia Dança Contemporânea, uma das mais ativas e conhecidas companhias de dança da cidade de São Paulo, comemorará seus 10 anos de existência com uma série que contará com mais de 60 espetáculos, que se iniciarão em fevereiro de 2015 e irão até meados de junho de 2016. Uma das características da J.Gar.Cia é manter o desenvolvimento de suas obras ­ sejam elas estréias ou espetáculos já apresentados,­ por isso optou por fazer uma remontagem de diversos espetáculos já apresentados, além de um experimento em cena que será realizado em agosto deste ano e uma estréia prevista para maio de 2016.

historias.meia.noite.3

Para dar início às comemorações, será apresentado o espetáculo Histórias da Meia Noite​, obra inspirada em alguns contos de Machado de Assis como A Parasita Azul, Ernesto de Tal e Ponto de Vista, que abordam como assunto nossas mazelas éticas, políticas e sociais. Mesclando técnicas de Capoeira de Angola e Aikidô às técnicas da dança contemporânea, a coreografia traz uma delicadeza poética e uma plasticidade singular e instigante.

As apresentações de Histórias da Meia-Noite ocorrerão de 19/02 a 02/03/2015. Todas as apresentações ocorrerão na Capital 35​. Este espaço vem se tornando um importante centro de atividades culturais relacionadas à dança, teatro, música, artes plásticas e outras linguagens artísticas. O ponto ­chave é o intimismo que o espaço proporciona: uma casa antiga e charmosa localizada em Perdizes, onde o público se sente à vontade e tem contato direto com os bailarinos que, se não estão se apresentando, estão circulando pela casa, conversando com o público­/visitante, ou servindo as bebidas e os quitutes que são vendidos na cozinha da casa nos dias de espetáculo. Este clima despojado traz novos ares à dança contemporânea, despindo­a de seu caráter distante e proporcionando ao público uma experiência de proximidade com a obra e com os artistas, o que torna o ato de assistir um espetáculo de dança algo muito mais afetivo e acolhedor.

É um desejo da J.Gar.Cia manter o a Capital 35 como um espaço multiartístico aberto, vivo e pulsante, expandindo cada vez mais sua programação e proporcionando para seus frequentadores diários e eventuais, novas e agradáveis vivências.

Sobre a Companhia

A J.Gar.Cia Dança Contemporânea foi criada em 2005 pelo diretor e coreógrafo Jorge Garcia, e surgiu da proposta do coreógrafo de criar sua própria linguagem de dança. Residente em São Paulo, a Cia. desenvolve uma pesquisa em dança que busca novas possibilidades de vigor e sensibilidade no artista, valorizando o intérprete como criador em potencial. Desde sua formação, tem desenvolvido uma linguagem própria em sua abordagem coreográfica, estética e temática, levantando questões sobre o corpo e o ambiente em que é inserido, suas possibilidades e como transformá-­lo.

Nesses dez anos de existência, a J.Gar.Cia foi 8 vezes contemplada pelo Programa de Fomento à Dança, em uma parceria fundamental para o crescimento e a maturidade da companhia – hoje notada não só pela crítica e pela classe da dança, mas também pela classe artística e público em geral.

Em 2013, a Cia. foi indicada ao Prêmio Governador do Estado como Melhor Companhia do ano. Em 2014 a J.Gar.Cia recebeu o Prêmio Denilton Gomes, organizado pela Cooperativa Paulista de Trabalho dos Profissionais da Dança, pelo trabalho desenvolvido com a TRILOGIA (Nihil Obstat, Imprimi Potest e Imprimatur). Ainda no mesmo ano foram contemplados com o PROAC de Circulação de Espetáculos de Dança e realizaram apresentações de “Divinéia” pelo interior do estado. Com isso, podemos perceber que a J.Gar.Cia Dança Contemporânea tem se mantido em cena como poucas no panorama da dança nacional. Mais informações em http://ciajgarcia.com.br/ Jorge Garcia (direção geral da Cia. e coreógrafo do espetáculo).

A inquietação corporal de Jorge Garcia surgiu muito antes da dança. O futebol de várzea dos cantos de Pernambuco e o surf, combinados com seus estudos em danças populares brasileiras, dança contemporânea e balé clássico, se misturaram em seu inconsciente corporal levando­ o a buscar um estilo único ainda como bailarino de grandes companhias, como Cisne Negro Cia. De Dança, e depois como coreógrafo no Balé da Cidade de São Paulo e de outras companhias.

Como forma da sua constante inquietação de continuar experimentando-­se, realizou paralelamente diversos trabalhos independentes. Fundou o GRUA (Gentlemen de Rua), grupo de improviso, video e performance, além de trabalhar e vivenciar óperas, teatro, circo e cinema.

Em 2005 criou sua própria companhia, a J. Gar.Cia Dança Contemporânea, que surgiu como uma maneira de aprofundar sua pesquisa em dança e em diferentes linguagens.

historias.meia.noite.1

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: ​Jorge Garcia

Assistente de direção:​Edson Fernandes

Elenco​: Amanda Raimundo, Jorge Garcia, Willy Helm, Natasha Vergílio ou Marina Matheus

Trilha Sonora:​Maurício Alves

Design de Luz​: Ari Buccioni

Cenário:​Henrique Lima e Jorge Garcia

Figurino:​Jorge Garcia, com assessoria de Carol Sudati

Registro em Vídeo: ​Osmar Zampieri

Fotografia​: Sílvia Machado

Cria da Casa Art Productions

Produção Executiva:​Priscila Wille

Coordenação de Produção​: Aline Grisa

O QUÊ?

Histórias da Meia-Noite, espetáculo da J.Gar.Cia Dança Contemporânea.

Duração do espetáculo: ​55 minutos

Classificação:​16 anos

QUANDO?

19 de fevereiro a 02 de março ­de 2015, quinta a segunda, sempre às 20h.
→ Evento no Facebook — Confirme sua presença e compartilhe com os amigos 

*A cozinha abre das 19h às 20h, e retoma suas atividades após o término do espetáculo até às 23h.

QUANTO?

​R$ 20 (inteira) / R$ 10 (meia)

* Destacamos que o espaço Capital 35 tem capacidade para 30 pessoas, por isso é necessário reservar o ingresso com antecedência. Para reservá­-lo escreva para capital35contato@gmail.com. Aceita-­se cartão de débito.

ONDE?

​Capital 35

Rua Capital Federal, no 35, Sumaré, São Paulo, SP.

Publicado por Darlene Carvalho / Colaboração de Natacha Maurer

TRANSVERSOS NO SESC BELENZINHO

transversos

Nos dias 21 e 22 de fevereiro a Cia. Mariana Muniz de Teatro e Dança apresenta espetáculo de dança inspirado nas relações entre espaços públicos, pessoais, teatrais e urbanos, e a relação destes com a construção coreográfica. A obra TransVersos tem como objetivo investigar maneiras de viver a cena com o público e aproximá-­lo dos artistas na comunicação coreográfica de suas inquietações cênicas. Os artistas experimentam, nas salas de ensaio e nos espaços públicos da cidade, modos de se relacionar através do movimento dançado com estes espaços e seus habitantes passageiros e discute cineticamente as relações das pessoas com os espaços que habitam e os coletivos dos quais fazem parte.

Esta apresentação é uma releitura do espetáculo que foi apresentado na Mostra de Fomento à Dança no final do ano passado. Dessa vez a obra conta com novos bailarinos e uma nova perspectiva em relação às questões coreográficas e criativas. TransVersos será apresentado ao ar livre ­ para destacar o caráter investigativo e inovador do espetáculo ­ na área de convivência do SESC Belenzinho nos dias 21 e 22 de fevereiro, às 18h.

transversos.2

SOBRE A CIA. MARIANA MUNIZ DE TEATRO E DANÇA

A Cia. Mariana Muniz de teatro e dança foi criada no ano 2000. Desde então vem desenvolvendo trabalhos voltados para a pesquisa das relações entre palavra e movimento, poesia e dança. Ao longo de sua trajetória, realizou trabalhos de teatro­dança, onde a poesia de artistas como Florbela Espanca (Dantea), Ferreira Gullar (Túfuns) e Arnaldo Antunes (Rimas no Corpo) serviram de referência para o exercício de múltiplas qualidades de trânsito entre a palavra e o movimento. A partir de 2007, com o incentivo da 2a Lei de Fomento à Dança da SMC da Cidade de São Paulo, a Companhia ampliou sua equipe de trabalho e deu início a um processo de investigação das redes de articulação entre artes plásticas e dança contemporânea, com referência no artista plástico brasileiro Hélio Oiticica. Do mergulho neste universo nasceram três projetos – Parangolés (2008), Nucleares (2009) e Penetráveis (2010/2011), com apresentações na Galeria Vermelho e no Festival Sansacroma. Em 2009, com Nucleares, ancorados pela ideia de “Experimentar o experimental”, a Cia. Mariana Muniz continua sua trajetória de pesquisa cênica, comprometida com o hibridismo de linguagens na arte, propondo­se aprofundar a exploração dos limites entre questões cênicas, coreográficas, dramatúrgicas, visuais e performáticas. A companhia também faz incursões em trabalhos solos, como é o caso de Speranza! Dona Esperança que tem direção de José Possi Neto. Em 2012, circula com o Projeto “Trilogia Hélio Oiticica” pela cidade de São Paulo.Em 2013, o público do Guia da Folha escolheu “Gestos” como o melhor espetáculo do ano. Já em 2014 a Cia. Mariana Muniz seguiu as apresentações dos espetáculos “In­corpo­r­ações” e “Gestos” por toda cidade de São Paulo, com o patrocínio do Fomento à Dança. Neste ano, a Cia. prepara um solo da artista criadora Mariana Muniz que se chamará D ́Existir e foi contemplado com o Proac de Produção de Espetáculo Inédito e Temporada em Dança.

FICHA TÉCNICA

Concepção, Direção Coreográfica: ​Mariana Muniz

Assistência de Direção:​Claudio Gimenez

Intérpretes Criadores:​Alice Vasconcelos, Maurício Brugnolo e Mariana Muniz

Música /Trilha sonora: ​Cia Mariana Muniz

Fotografia:​Cláudio Gimenez

Cria da Casa Art Productions

Produção Executiva:​Priscila Wille

Coordenação de Produção​: Aline Grisa

O QUÊ?

TransVersos

QUANDO?

21 e 22 de fevereiro de 2015 (sábado e domingo), 18h.

QUANTO?

Entrada Gratuita

ONDE?

​SESC Belenzinho ­
Rua Padre Adelino, 1000,­ Belém, São Paulo, SP.

Publicado por Darlene Carvalho / Colaboração de Natacha Maurer

BLOCO DE CARNAVAL EM CIDADE TIRADENTES

Com realização do Instituto Pombas Urbanas, festa contará com música ao vivo e tem entrada gratuita.

carnaval-tiradentes

No sábado, dia 07 de fevereiro, a partir das 15h, acontece a 7ª edição do Bloco da Nega Zilda que contará com marchinhas de carnaval, bar, petiscos e muita música ao vivo. Tudo para garantir a maior folia em plena praça pública.

O bloco acontece desde 2009 como uma homenagem do Centro Cultural Arte em Construção a uma simpática e festeira moradora do bairro, a Nega Zilda (falecida em 2012).

O bloco representa uma das alternativas para brincar o carnaval na cidade relembrando os tradicionais blocos de rua.

Este ano o evento marca também o início as atividades do Projeto “Ponto de Cultura – Centro Cultural Arte em Construção”, que contará com uma série de eventos comunitários e conteúdos audiovisuais, democratizando o acesso a produção cultural e celebrando os dez anos de atuação do Instituto Pombas Urbanas em Cidade Tiradentes.

Então, não deixe de pôr a sua fantasia e venha festejar conosco!

 O QUÊ?

7ª edição do Bloco da Nega Zilda

QUANDO?

Sábado, 07 de Fevereiro de 2015, às 15h.

QUANTO?

Grátis

ONDE?

Centro Cultural Arte em Construção

Avenida dos Metalúrgicos, 2.100 – Cidade Tiradentes – São Paulo/SP

Colaboração de Cinthia Arruda (Pombas Urbanas)

CARNAVAL COM FESTA MEL

Bloco Unidos do Grande MEL

bloco-mel 

Iniciando suas atividades em 2015, a festa Mel – projeto de festas de rua que no ano de 2014 realizou 10 edições que misturaram o espírito carnavalesco com performances artísticas em praça pública – anuncia o desfile de estreia de seu bloco de carnaval ‘Unidos do Grande Mel’. O novo bloco sairá em cortejo pelas ruas do centro de São Paulo traz em seu repertório 5 estilos musicais ao longo de seu percurso: Afoxé, Frevo Samba-Reggae, Marchinhas-Funk e Samba-Axé.

MEL-TUMBLR

Em 31 de janeiro, dia do desfile do bloco, a concentração acontecerá a partir das 16h na Praça Dom José Gaspar. A saída do cortejo está prevista para as 17h. Após o trajeto, a festa Mel continuará na Praça Dom José Gaspar, em frente ao restaurante Homelete, com os DJs residentes do projeto e banda.

A página do evento no Facebook serve de mural de informações sobre o bloco https://www.facebook.com/events/1524049607846797/

Abadás oficiais do bloco ‘Unidos do Grande Mel’ estarão à venda durante a concentração.

A pista de dança da Mel a céu aberto tem atraído um público diverso e muito animado (média de 1000 pessoas por edição), servindo de palco performativo para artistas interagirem com os foliões. A sugestão de dresscode é criar sua própria Divindade em “baixa costura” (roupa feita com materiais improvisados). A festa do bloco ‘Unidos do Grande Mel’ é gratuita e estão todos convidados para esta experiência. É diversão garantida!

O QUÊ?

BLOCO UNIDOS DO GRANDE MEL – estréia / Classificação Indicativa: 18 anos.

DJs: Ad Ferrera, Ana Carmo, João Paes, Tide, Rosa E Zalma (residentes)

Músicos: Banda Unidos do Grande Mel (ao vivo) com YAPOI (Deca Madureira e George Costa), Ivan Silva e convidados

Performers: Caio, Yuri Tripodi, Rafael Amambahy, Silvestre, Linn Santos, Xerxes, Cassimiro & Grande Mel

Dresscodes Sugeridos: Orixá ‘Baixa Costura’

QUANDO?

31/01/2015 (sábado) das 14:00 à 01:00

QUANTO?

Grátis

ONDE?

Praça Dom José Gaspar, 72 – Centro (atrás da Biblioteca Mário de Andrade, em frente ao restaurante Homelete). Telefone:  (11) 3255 1083

Colaboração de Ana Carmo

7º IN-EDIT BRASIL 2015 — INSCRIÇÕES ABERTAS

Estão abertas, até o dia 09 de março, as inscrições para a 7ª edição do In-Edit Brasil – Festival Internacional de Documentário Musical 2015, que acontece entre os dias 1º e 10 de maio na cidade de São Paulo – com possibilidade de itinerância em outras cidades brasileiras.

in-edit

Interessados podem realizar gratuitamente as inscrições de seus documentários (curtas, médias e longas-metragens) que tratem da música como elemento central. Para a seção competitiva, serão aceitos filmes de longa-metragem com duração superior a 60 minutos e finalizados a partir de janeiro de 2014; tanto para a competição como para as mostras Brasil (média e longa-metragem) e Curta um Som (até 30 minutos), as obras devem ser inéditas no circuito comercial brasileiro.

O melhor longa-metragem receberá o prêmio “In-Edit Brasil de Melhor Documentário Musical”, e será exibido no In-Edit Barcelona 2015 com todas as despesas pagas pelo festival (passagem, hospedagem e alimentação para o diretor do filme vencedor). O In-Edit Brasil também promove mostras internacionais, homenagens e sessões especiais com shows musicais e debates.

Para mais informações e regulamento, acesse o site oficial do festival: www.in-edit-brasil.com.

Colaboração de Valéria Blanco | Publicado por Darlene Carvalho