11º PRÊMIO FIESP/SESI-SP DE CINEMA

sesi-sp (2)

Programação completa da Mostra: www.sesisp.org.br/premiocinema

Publicado por Darlene Carvalho

Anúncios

EM DEBATE: Ó PAI, Ó

Dando continuidade a iniciativa que começou em Janeiro, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo realiza, no próximo dia 07, a segunda edição do Cine Debate, proposta que pretende exibir um filme e em seguida analisar aspectos relacionados ao mesmo. O longa em discussão em fevereiro é Ó pai, Ó, dirigido por Monique Gardenberg, que usa o humor para contar a história de luta e união de um grupo de moradores dum cortiço do Pelourinho, Salvador, e suas relações diretas ou indiretas com o carnaval. Após a exibição do filme, será realizado um debate com a presença do professor da UFBA, Paulo Miguez, a respeito das transformações socioculturais do carnaval baiano, seu processo de mercantilização, a economia que movimenta e outros temas correlatos.

O QUÊ?

CINE DEBATE: Ó PAI, Ó

QUANDO?

07/02 (sábado, 15h às 18h)

QUANTO?

Grátis (mediante inscrição pelo site sescsp.org.br/centrodepesquisaeformacao ou nas unidades do Sesc em São Paulo)

ONDE?

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc

Rua Dr. Plínio Barreto, 285, 4º andar, (prédio da FecomércioSP)

Telefone: (11) 3254 – 5600

Colaboração de Paulo Dias

SINTONIZAH NO CCSP

SINTONIZAH_JAMAICA_E_AQUI

Sintonizah é um documentário que revela a sintonia protagonizada pelo reggae no Brasil e Jamaica. O filme leva o espectador as raízes do gênero, que se infiltrouem São Luís do Maranhão, para vivenciar a cultura local, respondendo questões sobre a força de sua identidade em populações distintas.

SINTONIZAH_RADIO SINTONIZAH_STRANGER_COLE

Dirigido por Lecuk Ishida e Willy Biondani, Sintonizah é o resultado do encontro de grandes figuras da música Jamaicana e apaixonados pelo reggae, que se aconchegam na pista de dança dos guetos, envolvidos pelas batidas, e fazem da música sua profissão, e razão de viver.

A descoberta nessa viagem musical é costurada pelos depoimentos de Stranjah (Alex Herbst), negociador de discos raros e pesquisador do filme, pelos músicos ícones Stranger Cole e Lone Ranger, que conduziu a equipe pelos pontos mais relevantes do cenário do reggae, como a visita ao Studio One para o bate-papo com o proprietário Courtney Dodd, no local onde ídolos do gênero como Bob Marley and the Wailers produziram seus discos. Além do panorama apontado pela antropóloga e autora do livro Global Reggae, Carolyn Cooper.

SINTONIZAH_RANDYS_CARL_LAUDER SINTONIZAH_VITROLA

Em São Luiz, as informações se conectam com declarações de Fauzi Beydoun, integrante da banda brasileira Tribo de Jah, o DJ Serraleiro, um dos pioneiros do reggae no Brasil, Tarcisio Selektah, professor e pesquisador da UFMA, entre outros. Juntos contam sobre o alcance acidental das ondas de rádio da Jamaica nos aparelhos de rádio da cidade e como o ritmo gerou uma identificação semelhante nos guetos independente das fronteiras.

“É fascinante descobrir que certas manifestações como o reggae são tão fortes. Apesar da distância geográfica e códigos diferenciados, a música criou uma identificação entre as pessoas, que acabam vivendo da mesma maneira inspiradas pelo som”, comenta Lecuk Ishida.

SINTONIZAH_CAROLYN_COOPER

Produzido pela Biondani com apoio da BossaNovaFilms e incentivo do ProAc – Programa de Fomento ao Cinema, o média-metragem será exibido pela primeira vez em sessão gratuita na terça-feira, 27 de janeiro, às 20h no Centro Cultural São Paulo, sala Paulo Emílio. A estreia será seguida de debate com o diretor Lecuk Ishida e equipe.

SINTONIZAH_LONE_RANGER

Curiosidades de produção

  • O nome Sintonizah surgiu inspirado pela fonética do Patoá Jamaicano, idioma falado na Jamaica, que inclui a letra “h” no final das palavras.
  • Durante as entrevistas, ouviram sobre colecionadores e comerciantes obcecados pelo ritmo. Para garantir exclusividade dos seus discos, muitos compram todas as cópias disponíveis, a prensa e a matriz para destruição, garantindo a raridade.
  • Durante a produção, Lecuk Ishida e equipe foram guiados e conduzidos de carro pela cidade por Lone Ranger. Em uma das saídas para gravação, um casal de policiais abordou o cantor e perguntou o que estava acontecendo, quando viu o veículo cheio. O músico respondeu “It’s Brazilian reggae!”. Quando os dois policiais foram conferir dentro do carro, deram de cara com quatro orientais, o diretor e seus assistentes e caíram na gargalhada.

Brasil/Jamaica, 54 minutos, livre.

Sinopse

Foi por acidente que as ondas de rádio jamaicanas atravessaram o mar do Caribe e trouxeram o reggae ao Brasil, sintonizando nas rádios do Maranhão. O documentário Sintonizah embala o espectador em uma viagem entre Kingston, na Jamaica, e São Luís do Maranhão para transmitir as emoções de quem vivência o reggae e, também, revelar como a cultura maranhense incorporou o gênero musical e transformou a cena local na ‘”Jamaica brasileira”.

Sobre os diretores

Lecuk Ishida teve o seu primeiro contato com vídeo no início dos anos 80 com o programa “Grito da Rua” (Gazeta). Nos anos 90 aprimorou seus conhecimentos morando 10 anos fora do Brasil, onde estudou na UCLA (LA) e Silicon Graphic (Japão). Em 2000, já no Brasil, trabalhou em muitas produções publicitárias e televisivas com perfil documental. Logo começou a dirigir algumas de suas produções, entre elas: DVD ao vivo da banda Sepultura, DVD ao vivo Trio Virgulino, programa “Ecoprático” (Cultura), “Tempos de Escola” (Futura), “Feito no Brasil” (Nat Geo), “Pratique Ecosport” (Fox), “Nosso Planeta” (Record), “Globo Ecologia” (Globo), entre outros. Hoje, investe na criação de programas de TV, trabalhos autorais de dramaturgia e documentários.

Reconhecido internacionalmente pela direção de filmes de beleza e estética apurada, Willy Biondani começou sua carreia como fotógrafo de publicidade e editoriais de revistas de moda e beleza. Trabalhou para conceituadas revistas em Paris, onde também se tornou diretor de publicidade. Recebeu prêmios no Art Directors, Clio, Cannes e Anuário do CCSP. Em 2005, integrou a edição especial “200 Best Ad Photographers Archive” e fundou a BossaNovaFilms com seus sócios. Mais tarde, dirigiu o média-metragem “Diadorim e Riobaldo”, baseado no livro “Sertão Veredas”, de Guimarães Rosa, o DVD “Roger100Ceni” sobre o goleiro Rogério Ceni, entre outros. Atualmente está trabalhando para o lançamento de “Tudo bom, tudo bem”, seu primeiro longa.

SINTONIZAH_DIRETOR_LECUK_ISHIDA

Ficha técnica

Direção: Lecuk Ishida e Willy Biondani

Produtora: Bionandi

Produção: Denise Gomes e Paula Cosenza

Pesquisa: Stranjah (Alex Herbst)

Roteiro: Fernando de Castro Américo

Direção de Fotografia: Ernesto Kobayashi

Montagem: Thiago Lucena

Finalização de Áudio: INPUT | Artesonora

Participações: os músicos Lonne Ranger e Stranger Cole, a antropóloga e escritora Carolyn Cooper, o proprietário do “Studio One” Courtney Dodd, o proprietário da gravadora “Randy’s 17th North Parade” e da “Impact” Caurl Lauder, o antropólogo e professor Carlos Benedito, o integrante da banda “Tribo de Jah” Fauzi Beydoun, os DJs e colecionadores Serraleiro e Stranjah (Alex Hurst), e Tarcisio Selektah, professor e pesquisador da UFMA.

SINTONIZAH_EQUIPE_MARANHAO

O QUÊ?

Sintonizah

(Brasil, 2015, 54min, DCP)
direção: Lecuk Ishida
Foi por acidente que as ondas de rádio jamaicanas atravessaram o mar do Caribe e trouxeram o reggae ao Brasil, sintonizado nas rádios do Maranhão. O documentário Sintonizah embala o espectador em uma viagem entre Kingston, na Jamaica, e São Luís do Maranhão para transmitir as emoções de quem vivencia o reggae e, também, revelar como a cultura maranhense incorporou o gênero musical e transformou a cena local na “Jamaica brasileira”.

Classificação: Livre

QUANDO?

dia 27/1 – terça – 20h

Após a sessão, haverá uma conversa com o diretor Lecuk Ishida.

QUANTO?

Entrada franca – retirada de ingressos: a bilheteria será aberta somente no dia do evento e em seu horário de funcionamento (terça a sábado, das 13h às 21h30; e domingos, das 13h às 20h30).

(99 lugares)

ONDE?

CENTRO CULTURAL SÃO PAULO – Sala Paulo Emilio Salles Gomes 

Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso – CEP 01504-000 – São Paulo – SP

Colaboração de Fernanda Abigail

CINECLUBE LATINO-AMERICANO

Notícia linda!

O Memorial da América Latina apresenta o Cineclube Latino-Americano. Acontecerá aos sábados no Pavilhão da Criatividade. Você pagará apenas R$ 5 por sessão​.

O Quê? Quando?

Cineclube Latino-Americano

Dia 18/10/2014, às 18h.

Nación Clandestina (Jorge Sanjinés e Grupo Ukamau, Bolívia, 1990, 123′) Um golpe militar desencadeia uma violenta repressão nos bairros de La Paz. Um agricultor da comunidade Aymara decide deixar a cidade e voltar para a sua aldeia, depois de banido de lá.

Circuito Interno (Julio Martí, Brasil, 2010, 14′) Elias, um imigrante boliviano ilegal, acompanha o cotidiano do abusivo universo nas oficinas de costura espalhadas pelo centro de São Paulo.

Dia 25/10/2014, às 18h.

Bolivia (Adrian Caetano, Argentina, 2001, 71′) Após perder seu trabalho devido à destruição de plantações de folha de coca pelos americanos, Freddy vai para Argentina, como imigrante ilegal.

La Sirga (William Vega, Colômbia/ França/ México, 2012, 90′) Alicia, arrancada de sua vila, destruída por um conflito armado, tenta começar vida em La Sirga, próxima aos Andes.

Quanto?

R$ 5 por sessão

Onde?

Memorial da América Latina — Pavilhão da Criatividade (mapa)

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664
01156-001 – Barra Funda – São Paulo SP
Telefone: 11 38234600

Publicado por Darlene Carvalho

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA NO CINE CAIXA BELAS ARTES

A LUZ (IMAGEM) DE WALTER CARVALHO

Mostra de cinema em homenagem aos 35 anos de carreira do mais requisitado diretor de fotografia do audiovisual brasileiro: Walter Carvalho. Estão presentes na mostra títulos como “Chega de Saudade”, “Lavoura Arcaica”, “Janela da Alma” e “Madame Satã”, dentre outros.

A seguir, alguns trailers da mostra em cartaz a partir de hoje:


O Quê?

A Luz (Imagem) de Walter Carvalho

Quando?

02 a 15 de Outubro de 2014

Programação e classificação indicativa: www.caixabelasartes.com.br

caixa-cultural-walter-carvalho

Quanto?

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada).

Onde?

Caixa Belas Artes

Rua da Consolação, 2423

Publicado por Darlene Carvalho

MOSTRA DE CINEMA E VÍDEO DE DANÇA NA RUA

Cia Carne Agonizante apresenta 2ª Mostra de cinema/ vídeo de dança na rua

hair

Dança de rua? Não, dança na rua. É dessa forma que a Cia Carne Agonizante pretende mostrar, gratuitamente, vídeos de trabalhos importantes de dança no cinema. A segunda sessão da 2ª Mostra de Cinema / Vídeo de Dança na Rua acontece dia 31 de maio de 2014, às 20h, com o filme Hair à Rua Sousa Lima, 300, endereço do Kasulo Espaço de Cultura e Arte, na Barra Funda, São Paulo.

Essa mostra serve para ampliar o convívio entre os moradores do entorno do Kasulo, possibilitando a apreciação da dança, produzida na linguagem do vídeo ou do cinema.

Sandro Borelli, organizador da Mostra e diretor da Cia Carne Agonizante acredita que “a mostra pode contribuir de forma significativa para a popularização da dança, tirando o morador da região da posição única de consumidor de arte mercadológica, aquela feita pela TV”.

HAIR

Hair é um filme norte-americano de 1979 adaptado do musical do mesmo nome encenado no Broadway e criado por James Rado, Gerome Ragni e Galt MacDermot. Dirigido por Milos Forman, com John Savage, Treat Williams e Beverly D’Angelo no elenco, ele conta a história de um jovem do interior dos Estados Unidos convocado para a Guerra do Vietnã, que chega a Nova York para apresentar-se ao exército e encontra e se torna amigo de uma tribo de hippies cabeludos da cidade, adeptos do pacifismo e contra a guerra.

As cenas de dança foram coreografadas por Twyla Tharp e realizadas pelos dançarinos da Twyla Tharp Dance Foundation. O filme estreou mundialmente no Festival de Cannes daquele ano e foi indicado para o Globo de Ouro de Melhor Filme.

Em 2004, “Aquarius”, uma das icônicas canções do musical transportadas para a tela, foi considerada a 33ª melhor canção do cinema americano na lista 100 America’s Greatest Music in the Movie do American Film Institute. Continue reading →

DOCUMENTÁRIO SOBRE O “PAI DO HIP-HOP” NO CCSP

CCSP exibe documentário sobre Nelson Triunfo, pioneiro do break dance no Brasil.

Como parte da programação Em Cartaz, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) exibe entre 5 e 18 de junho o documentário Triunfo, sobre Nelson Triunfo, um dos precursores do movimento black no Brasil. O filme, que conta a história do “Pai do Hip-Hop”, foi eleito vencedor do festival In-Edit Brasil deste ano.

Nelson Gonçalves Campos Filho nasceu em Triunfo, Pernambuco (de onde tirou seu sobrenome artístico) em 1954 e, na década de 1970, se tornou um dos expoentes da cultura hip-hop no Brasil.

Sinopse
Documentário sobre Nelson Triunfo, natural de Pernambuco, veio para a capital paulista em 1977 e foi um dos impulsores do movimento black no Brasil. Pioneiro no break dance, foi inspiração de milhares de jovens que o viam dançar a se interessar pelo hip hop e transformar suas vidas.

Ficha técnica
Direção: Cauê Angeli e Hernani Ramos
Ano: 2014
Formato: Blu-ray

Continue reading →